Wednesday June 21st || de Morgan Dierstein

Você sabia que cerca de 128 milhões de pessoas procuram na internet algum tipo de bloqueador de publicidade, os chamados adblocks?

Esse número ainda é baixo, contando os 3 bilhões de usuários da rede, mas já tem preocupado os sites e portais da web, segundo dados do Statista.

Neste cenário, muitas empresas têm apostado nos Native Ads que, em linhas gerais, é um conteúdo gerado para as páginas dessas empresas.

Muitos acham essa característica semelhante ao Marketing de Conteúdo e, por isso, no post de hoje propomos que você entenda as principais diferenças entre Native Ads e Marketing de Conteúdo. Vamos lá?

Marketing de Conteúdo

Segundo a definição do Content Marketing Institute, em que Marketing de Conteúdo é definido como uma abordagem estratégica de marketing focada em criar e distribuir conteúdos de valor, relevantes e consistentes para atrair e reter uma audiência claramente definida e, finalmente, para levar os clientes a ações lucrativas.

Em outras palavras, trata-se de 90% da metodologia de Inbound Marketing, ou “marketing de atração”, em que o conteúdo serve como combustível para atrair e nutrir os potenciais clientes, guiando-os pelo funil de vendas até que eles estejam preparados para o momento da compra.

Native Ads

Os Natives Ads, por outro lado, nada mais são do que uma forma de propaganda online. Contudo, diferente de outros formatos, ele entrega anúncios relevantes para um público segmentado em um contexto que não atrapalha a experiência do usuário.

Como? Ele aparece tipicamente como um artigo, quase como um publieditorial ou post patrocinado, mas é escrito por um anunciante e aparece como se tivesse sido originado pela própria equipe de produção, como mais uma fonte de notícias do blog.

Os Native Ads costumam aparecer como recomendações de conteúdo em sites e portais de notícias ou em feeds na página inicial ou na barra lateral de algum artigo.

Por ser um tipo de publicidade online bem menos intrusiva, os Native Ads têm ganhado o gosto do público e dos anunciantes. Eles criam um valor real para os potenciais consumidores e são conteúdos até mesmo divertidos ou informativos.

Além disso, eles acabam fazendo parte da estratégia de conteúdo, pois permitem que o time de marketing crie uma conexão com a audiência, o que não é possível com anúncios diretos, mas com conteúdo sim.

Entenda as principais diferenças entre Native Ads e Marketing de Conteúdo

Quando o objetivo é tráfego, os Native Ads costumam ter um efeito muito mais rápido do que uma estratégia de Marketing de Conteúdo.

Contudo, o Marketing de Conteúdo possibilita grandes resultados no médio e longo prazo, e é mais assertivo quando o assunto é taxa de conversão.

O motivo? Devido ao funil de vendas, que é longo, ou seja, uma estratégia de conteúdo bem estruturada irá conduzir os leads ao longo desse funil, nutrindo-os e fidelizando-os. Já uma campanha de Native Ads, não tem esse objetivo.

A verdade é que ao entregar conteúdo de valor para cada lead, ou seja, em cada estágio do funil, você estará com uma estratégia de conteúdo que surte muito mais efeito em vendas, pois o Marketing de Conteúdo tem o objetivo de formar um relacionamento de longo prazo com os leads, baseando-se nos estágios do funil.

Já o Native Ads, só atingirá quem está pronto para comprar, diferente do Marketing de Conteúdo, que cobre as etapas de descoberta e consideração também.

Em outras palavras, o Native Ads tem um conteúdo meramente publicitário – embora também entregue certo valor –, enquanto o Marketing de Conteúdo trabalha a distribuição de valor, de relevância e de material de maneira assertiva para todos os estágios do funil, de maneira que o público se torne um lead, um cliente e, finalmente, um evangelista da marca.

Isso não significa que um seja melhor do que o outro, ambos têm seus benefícios, que podemos citar a seguir:

1. Marketing de Conteúdo:

  • Auxilia no ranqueamento dos mecanismos de busca;
  • Auxilia no aumento das conversões;
  • Auxilia na percepção sobre a marca e o produto ou serviço.

2. Native Ads

  • Auxilia no engajamento nas redes sociais;
  • Melhora a percepção sobre a marca.

Ainda há algumas outras grandes diferenças. Por exemplo, quando nos referimos a metas, no Marketing de Conteúdo temos o objetivo de ranqueamento nos mecanismos de busca, a conversão e a percepção da marca, conforme afirmamos anteriormente.

O Native Ads, por outro lado, auxilia na consciência da marca e no engajamento. Nesse sentido, os KPIs do Marketing de Conteúdo que podemos citar são: número de leads, links de alta qualidade e número de compartilhamentos.

Os KPIs dos Native Ads, por outro lado, são: visualizações, tráfego e engajamento. Os canais do Marketing de Conteúdo são diversos, enquanto para os Native Ads precisam ser canais de parceria.

Como desafios do Native Ads, por outro lado, temos: a dificuldade de escalar, a falta dos benefícios do SEO e o fato dele ser naturalmente identificado como “publicidade” (fonte: Adweek).

Native Ads na estratégia de marketing de conteúdo

Os Native Ads são uma ótima maneira de alavancar sua estratégia de conteúdo, principalmente se a sua empresa ainda não está bem posicionada nos mecanismos de busca, como startups e empresas novas no Inbound Marketing.

No caso dos e-commerce, por exemplo, os Native Ads podem ser utilizados como forma de re-targeting (baseando-se no histórico de navegação do usuário).

Os Native Ads possibilitam que os consumidores se envolvam com um conteúdo direcionado e em um canal que já é frequentado por eles.

Entretanto, isso só funciona bem quando o destaque é o conteúdo, ou seja, está entregando valor ao consumidor e não o anunciante em si.

Esse tipo de publicidade é uma nova forma de entrar em contato com os clientes, atraindo-os de forma a associar conteúdo à marca, mas também o próprio canal está sendo associado.

Nesse sentido, muitas empresas têm utilizado o Native Ads em sua estratégia de marketing de conteúdo, principalmente no início.

No mobile marketing, o Native Ads tem se destacado muito, pois é menos intrusivo e, no mobile, a taxa de cliques em banners é muito baixa, de maneira que os consumidores tendem a clicar quando veem que o anúncio está entregando um conteúdo relevante.

Afinal, ninguém quer se sentir enganado e abrir um blog que gosta de acompanhar e só encontrar posts sobre produtos de anunciantes, não é mesmo? É preciso oferecer algo útil.

Grandes canais de social media e marcas extremamente conhecidas, como Starbucks, Dell, IBM e Michael Kors já aderiram ao Native Ads, inserindo-os dentro do fluxo editorial e apostando na conquista do consumidor.

Entretanto, é preciso ressaltar que, ainda assim, o conteúdo é fundamental tanto para atrair o potencial cliente como para criar autoridade da marca perante sua audiência.

Focar em campanhas de Native Ads em certos momentos pode ser muito vantajoso, entretanto é preciso pensar no orçamento, já que são necessários investimentos recorrentes.

O Marketing de Conteúdo, por outro lado, te auxilia a conquistar relevância e posicionamento de maneira orgânica, sem necessidade de muitos investimentos.

Quando é apropriado o uso do Native Ads?

A publicidade tem hora e lugar certo para acontecer. Por isso, listamos algumas situações em que é apropriado o uso do Native Ads. Veja:

  1. No lançamento de um produto ou serviço novo, quando você deseja falar um pouco a respeito dele para seu público.

  2. Em guest posts em blogs parceiros.

  3. Em sites ou portais com um volume de acessos maior do que o seu, ou seja, você deseja alcançar um público que ainda não possui.

  4. Na hora de ativar uma ação de marketing nova.

Outro momento em que é apropriado utilizar o Native Ads em conjunto com a sua estratégia de Marketing de Conteúdo é na divulgação de um determinado conteúdo através de anúncios de publicidade nativa.

Entretanto, o conteúdo anunciado precisa fazer sentido no canal onde será compartilhado, além disso, é preciso adaptar o conteúdo a esse canal, para deixá-lo otimizado.

Por fim, vale lembramos que isso custará um bom dinheiro e é necessário preciso avaliar previamente se faz sentido em sua estratégia de conteúdo e se vale a pena, de acordo com as previsões de retorno.

Como você pode perceber, o Native Ads não é uma estratégia de conteúdo, mas pode fazer parte dela, sendo uma forma de compartilhar conteúdo – embora dependa do quanto você está disposto a gastar e quais são suas metas e objetivos.

Sem dúvida, o Native Ads é uma boa ferramenta, mas precisa combinar com você e a sua estratégia. Por isso, avalie os prós e os contras e não exclua a possibilidade por completo.

Lembre-se, contudo, que o Native Ads não substitui o marketing de conteúdo, mas lhe é complementar, pois além do marketing de conteúdo não te limitar, como é o caso da publicidade nativa, ele atende os consumidores em todos os estágios de compra e não só os que já estão preparados para ela.

Este post foi produzido por Natalia Cerri Menezes, da equipe da Contentools

Morgan Dierstein

Morgan é Media Sales Manager na Taboola, ajudando os clientes a refinar e otimizar sua estratégia de conteúdo em toda a rede da Taboola. Nascido em Paris, ele veio para Taboola depois de 10 anos como empreendedor e estrategista digital, especializado em negócios emergentes na Europa e nos Estados Unidos. Possui MBA em Gestão de Projetos na FGV Rio. Ele é apaixonado por futebol, fotografia e histórias. https://br.linkedin.com/in/morgandierstein